23 de julho de 2014
Selecione o texto com o mouse e clique no selo para obter a tradução em Libras.
Rybená Rybená

Software acessível para pessoas com deficiência visual. Clique aqui e baixe em seu computador

Confira todas nossas ferramentas aqui.
ROSANA CELIA
Olá me chamo ROSANA CELIA sou defic...

PAULO MATTOS
Parabéns pelo belo site, gostei mui...

MARIA VILMA DA SILVA
olá, maria vilma, eu sua surda 32 a...

HELOIZA
Oi Leonardo peço q me add no meu ms...

Científico

Inserida em: 28/8/2006

Doença de Pompe

Milhares de neurologistas brasileiros e convidados internacionais estiveram reunidos no XXII Congresso Brasileiro de Neurologia, que aconteceu em Recife de 19 a 23 de agosto. Um dos destaques do eventofoi a presença da médica neurologista Diana Escolar, do Children''''s Hospital de Washington, que no dia 21 (segunda-feira) participou de uma mesa redonda sobre a doença de Pompe, uma moléstia neuromuscular progressiva e rara, de fundo genético e que se não tratada leva a criança à morte antes do primeiro ano de vida. A novidade mais relevante é que graças aos avanços da biotecnologia farmacêutica foi desenvolvido o primeiro tratamento para a doença de Pompe, o medicamento MyozymeTM (alglucosidade alfa). Entre as 45 doenças neuromusculares que se tem conhecimento, a doença de Pompe é a primeira a ter um tratamento desenvolvido e já aprovado.


No evento, a Dra. Diana Escolarcompartilhou seus conhecimentos sobre a doença como também apresentou dados de uma pesquisa realizada com o primeiro medicamento do mundo para tratá-la. Um estudo demonstrou que 83% das crianças com a doença de Pompe que receberam tratamento com o medicamento estavam vivas aos 18 meses de idade. Das que não receberam nenhuma terapia, apenas 2% sobreviveram. O principal objetivo do uso da terapia é a melhora da sobrevida, com regressão dos sintomas cardíacos e melhora nos movimentos musculares. Estima-se que a doença atinja uma em cada 40 mil pessoas no mundo.


Quanto mais cedo aparecem os sintomas, mais rápido eles evoluem, por isso o diagnóstico precoce é fundamental para a sobrevivência dos pacientes. Para se ter uma idéia, dados mostram que os primeiros sintomas nas crianças aparecem aos dois meses de idade, mas o diagnóstico só é feito em média aos cinco meses. Por conta desse atraso, a maior parte dos pacientes morre com cerca de nove meses de vida. A doença atinge principalmente os músculos estriados e o cardíaco. Quando o diafragma (músculo responsável pela respiração) é afetado, o paciente só consegue respirar através de aparelhos.


Hoje no Brasil já foram identificados 23 pacientes com a doença de Pompe, mas estima-se que o número de pessoas acometidas seja muito maior. Graças a um acordo entre a Anvisa, o FDA e a Genzyme, indústria farmacêutica de biotecnologia que desenvolveu a terapia, 10 pacientes brasileiros já estão sendo tratados com o medicamento. A nova terapia já é utilizada nos Estados Unidos e Europa com sucesso em cerca de 400 pacientes.


O laboratório de biotecnologia Genzyme Corporation espera que o medicamento receba a aprovação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária ainda este ano. "Estamos apresentando toda a documentação necessária a Anvisa", diz Devaney Baccarin, gerente-geral da Genzyme do Brasil.



Diagnóstico e Sintomas

Os sintomas da doença de Pompe podem ser confundidos com os de outras doenças pela similaridade, mas em resumo os principais são:

Musculatura muito flácida
Problemas respiratórios progressivos
Aumento do tamanho do coração

Que médicos devo procurar?

Inicialmente o próprio pediatra, quando se trata de um paciente infantil, pode indicar se há algum problema com o bebê. Mas os médicos neurologistas, geneticistas e cardiologistas também podem contribuir para o diagnóstico precoce. Exames serão realizados para confirmar a doença.


Hoje um exame de sangue, não invasivo, consegue diagnosticar a doença em sete dias. Trata-se de um teste para medir a atividade enzimática do paciente.



Onde posso obter mais informações?

Como o tratamento da Doença de Pompe está começando no Brasil, podemos citar os seguintes centros para diagnóstico e tratamento:

Instituto Fernandes Figueira - Fiocruz (Rio de Janeiro-RJ)
Universidade Federal de São Paulo (Unifesp- SP)
Hospital de Base - São José do Rio Preto (São Paulo)
Universidade de São Paulo- USP (São Paulo-SP)
Hospital Universitário da PUC (Porto Alegre- RS)
Hospital dos Servidores do Estado (Rio de Janeiro-RJ)

Sobre a Genzyme

A Genzyme atua há nove anos no Brasil. Entre os maiores laboratórios de biotecnologia do mundo, é o único que atua diretamente no Brasil. Primeira farmacêutica a desenvolver medicamentos para portadores de doenças de depósito lisossômico, também atua nas áreas de doenças renais, transplantes e câncer de tireóide. Referência em biotecnologia, a companhia transformou as patologias genéticas raras em uma prioridade para as pesquisas terapêuticas. Cerca de 20% do faturamento anual da empresa são investidos em pesquisa. No Brasil, a Genzyme atua no combate da Doença de Gaucher, Fabry e Pompe, Mucopolissacaridose Tipo 1, câncer de tireóide, doenças renais e transplantes.

SAC: 0800 77 123 73

Home-page : www.genzyme.com.br


enviar por e-mail enviar por e-mail
imprimir matéria imprimir matéria
Comentários e sugestões sobre esta página, clique aqui
NOSSO SITE
© Copyright - Todos os direitos reservados
IES - Instituto Brasileiro de Empreendedorismo Social
Design by FlowDesign